Mostrando postagens com marcador corretores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador corretores. Mostrar todas as postagens

Quantas vezes você tem certeza de que tem o produto certo para o seu cliente, mas a venda não acontece? Entre várias possíveis situações, a falta de conhecimento do que REALMENTE está motivando o seu cliente a comprar o imóvel é uma das principais. Você sabia que 99% das pessoas compram baseados em suas emoções? A razão aparecerá apenas na hora de comparar produtos, mas não na hora da decisão...



Este é apenas um resumo da postagem. Clique no titulo e veja o texto na integra.



Fonte: Corretores, regra de ouro: Venda soluções e não o produto.»

Guilherme Machado -





A popularização do acesso à internet alterou o comportamento do consumidor e esta realidade tende a ganhar cada vez mais força. Diante deste cenário, vemos surgir novas formas de interação entre os corretores e seus clientes e uma ferramenta pode se tornar um grande diferencial. Estou falando do corretor online.
Com uma plataforma de fácil utilização, o corretor online proporciona um contato rápido entre o cliente e o profissional da intermediação. Um dos seus principais benefícios está na flexibilidade na forma de atendimento.
O cliente pode estar em qualquer lugar, realizando até outras tarefas ao mesmo tempo em que faz a pesquisa sobre o imóvel. Estas características otimizam o tempo e qualificam a busca, pois o cliente pode contar com o auxilio de um corretor capacitado para atendê-lo.
Por isso, o corretor online deixa de ser apenas uma possibilidade a mais oferecida para se tornar uma ferramenta estratégica de relacionamento e, consequentemente, um catalisador de novos negócios.
Perante sua importância, esta ferramenta precisa ser bem planejada. No artigo de hoje vamos abordar algumas dicas que podem potencializar a gestão do corretor online. Vamos evoluir juntos.
1. Identificar o perfil do corretor real é essencial
O corretor online não é como uma secretária eletrônica que já vem com mensagens pré-programadas. Por trás da ferramenta há um corretor real que precisa estar capacitado para atuar no ambiente digital.
É importante que este corretor tenha habilidade com o computador e esteja acostumado com a rotina de uma conversa online, uma vez que o diálogo no chat tem um ritmo diferenciado de um encontro presencial.
Além disso, cada cliente tem um tempo de resposta diferenciado e não entender essa especificidade pode gerar ruídos na comunicação. Por isso, o corretor real responsável pelo atendimento online deve ter paciência e atenção redobradas.
E mais, este profissional precisa ter a capacidade de personalizar o seu atendimento, mesmo que ele seja feito no ambiente digital. Com isso, mais do que nunca, é fundamental compreender que o corretor online é uma pessoa, e que o cliente gosta de se relacionar com pessoas e não com máquinas.
O computador, neste caso, é apenas mais um canal de diálogo, mas o cliente quer um corretor real que o entenda e interprete  seus sinais de compras e desejos.  #ficadica
2. O português deve ser usado corretamente em qualquer circunstância
A plataforma do corretor online é muito parecida com as que usamos nas conversas informais com os nossos amigos, mas de maneira nenhuma podemos confundir estes espaços.
Não é porque você usa “pq” para perguntar algo ao seu amigo que terá a mesma atitude com o seu cliente. No momento do atendimento, o corretor está em seu espaço profissional e, como tal, deve se comportar. Portanto, nada de abreviações, gírias ou erros gramaticais.
Nas conversas informais estes detalhes não fazem diferença, mas no ambiente de trabalho qualquer deslize pode minimizar as chances de um atendimento bem sucedido.
3. Saber explorar bem o espaço digital é um diferencial
Se o cliente escolheu o corretor online como canal prioritário de interação, solicitar o número de telefone nos primeiros segundos de chat é um grande erro.
Construa um relacionamento e envolva o cliente, saiba explorar o ambiente digital. Caso haja a necessidade de transferir a conversa para o telefone, isso deve acontecer de uma forma natural, ao longo do atendimento.
E mais, as possibilidades de realizar a venda são aumentadas quando a conversa pelo telefone é demandada pelo próprio cliente.
Diante disso, é fundamental ter um departamento ou equipe específica para gerenciar o corretor online, estabelecendo, assim, parâmetros para o atendimento e garantindo mais qualidade e credibilidade ao serviço oferecido.
4. Crie expectativa e converta o atendimento em visita
A possibilidade de fazer um direcionamento de percepção em relação ao imóvel certamente é potencializado em um atendimento pessoal. Logo, o corretor precisa criar mecanismos que provoquem no cliente o desejo de visitar o imóvel.
Uma estratégia que usava era passar informações precisas, mas não completas. Isso aguçava a curiosidade e gerava a expectativa de conhecer pessoalmente o empreendimento.
Contudo, é importante estar atento. Se o seu cliente estiver em outro estado ou país, a probabilidade deste recurso não ser aplicável é muito grande. E neste caso, o diferencial será o conhecimento do corretor.
Por isso, é essencial ter estudos, matérias e análises que fundamentem os seus argumentos. Tal atitude passará mais credibilidade para o seu cliente.
5. Realizar plantões é fundamental
Com o advento da internet, o conceito de horário comercial sofreu certa ruptura. Um site não sai do ar quando o último funcionário apaga a luz, a página continua lá disponível para o acesso do cliente.
Desse modo, oferecer horários flexíveis de atendimento é um diferencial que tende a ganhar cada vez mais relevância. Muitas vezes, durante o dia, o cliente não tem tempo para ir ao salão de vendas e ter a possibilidade de contar com um atendimento em horários não convencionais pode ser um grande propulsor de novos negócios.
E eu garanto a você que é possível fechar um negócio durante a madrugada. Tive uma experiência muito interessante em uma imobiliária na qual era executivo. Certa vez, um atendimento por meio do corretor online teve início às 00h30 e às 08 horas da manhã seguinte o contrato estava assinado.
Quem não estiver atento a esta mudança de comportamento do mercado, corre o risco de ficar ultrapassado.
6.  Monitorar para evoluir: este é o lema
Um dos grandes diferenciais de um site é a possibilidade de fazer um mapeamento mais assertivo do perfil do seu cliente. Por meio do monitoramento é possível saber de onde são os clientes, quais páginas ele visitou no site, que palavra-chave ele utilizou para encontrar o seu site, quanto tempo durou o  acesso, entre outros.
Estes elementos permitem gerar indicadores que, se bem analisados, podem ser transformados em inteligência competitiva para, assim, otimizar o site e catalisar novos negócios.
Diante de todas essas possibilidades, não se pode negar que o corretor online é uma ferramenta que precisa de um olhar mais estratégico dos profissionais do mercado. Contudo, de nada vale compreender estas dicas e não colocá-las em prática.
Quando um cliente procura pelo atendimento online, ele espera um serviço diferenciado e bem feito. Não adianta ter um ícone no seu site direcionando para o corretor online e, no momento em que o cliente acessa o link, não tem ninguém para atendê-lo ou o corretor demora demais para responder ao chamado. A regra básica é a resposta rápida.
Outro comportamento ao qual o corretor precisar estar atento é quanto ao começo do contato. Não é porque o corretor consegue visualizar que um cliente está online que ele deve convidá-lo para o chat. A iniciativa de interagir com o corretor online deve partir do cliente.
Estas foram algumas das práticas que adotei ao atuar como corretor online. Você pode ter vivenciado experiências diferentes das minhas, então, que tal enriquecer mais o nosso post de hoje? Aceita este desafio? Que outras dicas você daria para potencializar o corretor online? Participe, pois juntos somos fortes.

 Guilherme Machado -

Inovação, criatividade, engajamento, comprometimento, aperfeiçoamento. Estas são algumas das expressões mais utilizadas no mercado imobiliário na atualidade e se fossemos agrupá-las em um único cenário, diria que tais palavras traduzem o mesmo objetivo: a busca por resultados mais ousados.

A pressão pelo alcance de metas está cada vez mais inserida em nossas vidas e para isso temos que nos adaptar às mudanças dos tempos modernos que exige do corretor de imóveis uma melhor capacidade de se relacionar com pessoas de perfis diferentes e mais qualificação. Em resumo, o mercado, hoje, demanda corretores de alto desempenho.

Muitos têm o desejo de ser esse profissional, mas ainda falta o saber como fazer para alcançar este objetivo. Em minha carreira, utilizei uma ferramenta que muito contribuiu para minha evolução profissional, mas também pessoal: o ciclo PDCA.

O PDCA é uma ferramenta de melhoria contínua muito utilizada na gestão de processos e vem da sigla dos verbos em inglês que significam: P- Plan (planejamento) , D – Do (executar), C – Check (checar) e A – Action (ação). Vamos conhecer um pouco mais sobre cada etapa desta metodologia.

P(Plan) – Planejamento

Nesta etapa é preciso planejar como você alcançará o resultado que quer, ou seja, como você chegará às suas metas. Exemplo: um lançamento se aproxima e sua meta é vender 30% do empreendimento em 24 horas. Então é preciso saber o que fazer e como fazer para alcançar esta meta.

Sendo assim, é primordial estabelecer um plano de ação definindo os métodos que serão utilizados.

D(Do) – Executar

Vencida a etapa do planejamento, vamos à execução do que foi planejado. Lembre-se: é importante estar atento à realização do que foi programado.

Evite sair do que foi planejado. O que não é mensurado não pode ser analisado. #ficaadica

C (check) – Verificar

Respeitadas as duas primeiras etapas, agora é hora de verificar se o que o foi planejado e executado estava dentro do previsto.

É importante avaliar o que deu certo e o que precisa ser melhorado.

A (Action) – Ação Corretiva


Se depois da verificação for constado que algo não saiu como programado, é chegado o momento das ações corretivas entrarem em ação, sendo necessário avaliar o que contribuiu para que o fato ocorresse e assim traçar novos passos para que possíveis falhas não se repitam.

Vivemos em uma época em que o aprendizado e a melhoria deve ser contínua para alcançarmos a excelência. O que foi feito pode e deve ser melhorado. Então vamos planejar, agir, analisar as ações, corrigi-las quando necessário. e recomeçar um novo ciclo de aprimoramento, até alcançarmos nossas metas. Isso é melhoria contínua.

Um corretor de imóveis de alto desempenho é um profissional da transformação da realidade, que não fica acomodado diante do mercado e que busca o aprimoramento permanente dos seus processos.

E você, pode ser considerado um corretor de alto desempenho? Compartilhe conosco suas experiências, elas são muito importantes.










Diario de Pernambuco -

Profissional que comemora seu dia nesta semana é fundamental nos negócios imobiliários

Entre o desejo de adquirir um imóvel e a realização de fechar o negócio, muitas vezes a intermediação de um especialista se torna indispensável. Seja para acompanhar o cliente até o fechamento da compra ou apenas para orientá-lo quanto à melhor opção, os corretores de imóveis ou consultores imobiliários cumprem um papel fundamental, há 50 anos, quando foi regulamentada a profissão. Hoje, o mercado hoje exige profissionais qualificados e com dedicação individualizada a cada novo cliente. 

Novas e velhas gerações de corretores são unânimes em afirmar que conhecer o perfil do cliente é o primeiro passo para efetivar uma venda. O crescimento do setor de imóveis e a diversidade de opções para compra ou aluguel exigem desse profissional conhecimento amplo de mercado, qualificação e atualização permanente. É papel do corretor se inteirar das novas demandas e dos novos perfis de compradores.

Trindade diz que consultor imobiliário se diferencia pelo tratamento dado ao cliente (IMOBILIÁRIA EDUARDO FEITOSA/DIVULGAÇÃO)
Trindade diz que consultor imobiliário se diferencia pelo tratamento dado ao cliente
 


Paulo Trindade, 29 anos, corretor da Imobiliária Eduardo Feitosa, diz que o diferencial do consultor imobiliário está na forma de tratamento com o cliente. “O bom relacionamento é o que gera a venda. O perfil de cada cliente deve ser visto de forma bem específica. Os imóveis voltados para um público de solteiros é diferente do que devo oferecer para casais e aposentados, por exemplo.” Paulo é um dos que investe na carreira. Graduado em turismo e administração, atualmente cursa MBA em gestão de pessoas.


Com uma postura mais tradicional sem, no entanto, deixar de reconhecer que o mais importante para um corretor é o cuidado com o cliente, Arlindo Queiroz, 75 anos, autônomo na profissão há mais de 35, se diz envaidecido com a forma que adotou para conquistar o mercado. “Experiência e cursos que complementem a técnica adquirida com o dia a dia fazem a diferença na hora de analisar o perfil do comprador ou investidor. A confiança que se transmite é um ponto que não pode ser deixado de lado. Dessa forma, fiz meu nome no setor”, afirma.

O ofício de corretor surgiu no início do século 20 e foi regulamentado em 1962, no dia 27 de agosto, data em que é comemorado o Dia do Corretor de Imóveis. De acordo com o Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Pernambuco (Creci), atualmente são mais de 9 mil corretores registrados no Conselho e, desse número, cerca de 5 mil estão na ativa.

FOLHA.com -

 

O Secovi-SP (sindicato da habitação) divulgou a programação da Semana Imobiliária, que acontece entre os dias 11 e 16/9, em sua sede, na Vila Mariana.

O evento é gratuito e busca proporcionar atualização, aperfeiçoamento, conhecimento, negócios e reconhecimento aos profissionais da cadeia da indústria imobiliária.

Veja a programação:

PROGRAMAÇÃO

11 e 12/9 - Quality Service Conference, que se propõe a discutir a qualidade dos serviços no Brasil, e workshop do Instituto Disney;

12/9 - Entrega do 18º Prêmio Master Imobiliário;

13 a 16/9 - Convenção Secovi, que apresenta os temas "O Novo Consumidor Brasileiro", "O Mercado Imobiliário no Interior", "Adaptação do Mercado Imobiliário às Novas Faixas de Preço" e "Panorama da Locação Comercial nas Principais Capitais Brasileiras".

14/4 - Fórum Urbanístico Internacional, com painéis sobre adensamento predial e drenagem urbana, reabilitação urbana planejada e desenvolvimento de bairros sustentáveis;

15/9 - Real Estate Showcase, em que empresários brasileiros e estrangeiros apresentarão produtos e encontrarão potenciais parceiros para realizar negócios.

SERVIÇO
Semana Imobiliária 2012
De 11 a 16/9
Local: r. dr. Bacelar, 1.043, Vila Mariana (zona sul de São Paulo)
Mais informações: www.semanaimobiliaria.com.br

O espetacular corretor de imóveis

Postado por Corretor de imóveis | 23:48

Guilherme Machado -


Espetacular: de acordo com o dicionário Aurélio, é um adjetivo utilizado para traduzir aquilo ou aquele que é prodigioso, sensacional, que tem resultados espetaculares. Quem não gostaria de ser espetacular nas ações que realiza ou ter uma carreira sensacional?

Este é um assunto que sempre permeou as minhas reflexões. Sou um observador nato e chamava muito minha atenção aqueles que, na época em que atuava como corretor, eu considerava como super vendedores, que batiam todas as metas. Era neles que eu me espelhava, eram os resultados como os deles que eu queria alcançar.

E neste ato de observação, eu tentava agir parecido com o modo com que aqueles corretores prodigiosos agiam. Mas os resultados não chegavam para mim e me perguntava como aquilo era possível se estava fazendo as mesmas coisas e das mesmas maneiras. E foi aí que eu percebi o meu erro.

Não alcançava os meus objetivos porque não estava agindo da forma que se adaptava às minhas práticas, aquela não era a minha atitude, não era a minha abordagem, logo, os resultados não poderiam ser os que eu almejava.

Então eu percebi que para ser um corretor espetacular, mais do que praticar o que os outros praticavam, eu precisava entender conceitos e aplicar esses conhecimentos ao meu perfil de trabalho.

Compreendi que o espetacular estava em mim, em dar o meu melhor naquilo que eu me propunha a fazer. Descobri que o espetáculo da vida estava no fato de sermos diferentes e assim termos a capacidade de inovar, propor e executar coisas novas.

Desde que replanejei os rumos da minha carreira e passei a atuar como palestrante e consultor, tenho sido abordado, constantemente, por profissionais que buscam por uma receita pronta para o sucesso, como se em um passe mágica, do dia para noite, pudessem se transformar em corretores espetaculares, mas posso afirmar com toda certeza: não existe truque ou mágica.

A essência de um bom profissional está em sua capacidade de se reinventar, de aprender nas mais diferentes situações, de adaptar-se aos cenários e tentar descobrir a sua própria forma de ser corretor de imóveis.

Quando partilho as minhas experiências e desenvolvo os meus textos aqui para o blog não tenho a pretensão de que o outro aja da mesma forma com que eu agi. O meu desejo é que com essa interação eu possa contribuir para o crescimento do mercado imobiliário e desta carreira de corretor de imóveis pela qual sou um eterno apaixonado.

Acredito que a evolução é possível a partir do momento em que o profissional é capaz de captar o que é essencial e aplicar da sua maneira, de ressignificar as diferentes experiências com as quais tem contato no dia a dia, visando encontrar aquilo que é espetacular em sua própria vivência.

Por isso, convido você a uma mudança de atitude: que tal descobrir o espetacular corretor de imóveis que há em você e partilhar com a gente a sua experiência?

G1 - 


Segundo Creci, número de profissionais cresceu 61,95% nos últimos 3 anos.
Ex-corretor, dono de incorporadora diz que é preciso determinação.

Número de corretores cresceu 61% em três anos
(Foto: Zuhair Mohamad/Jornal O Popular)

Acordar cedo, ser organizado, ter bons contatos e autoconfiança. Essas são características esperadas de um corretor de imóveis. O ramo possibilita o profissional estabelecer seus horários de trabalho e permite um ganho mensal que varia de R$ 2 a R$ 100 mil. Dados do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Goiás (Creci-GO) revelam que o número de profissionais da área em Goiás cresceu 61,95% nos últimos três anos - enquanto em 2009 eram 8.413 inscritos no Creci, até agosto de 2012 já são 13.625 filiados.

Paulo Roberto da Costa é dono de uma incorporadora que atua no estado há 35 anos. Ele começou como corretor, mas, antes disso, atuava na área alimentícia. “Trabalhava em uma lanchonete vendendo sucos e vitaminas. Via que aquela atividade não oferecia oportunidade de crescimento e preferi procurar algo que se parecia mais comigo”, diz o empreendedor.

Paulo, que quando começou como corretor tinha uma sala de 16m² no centro de Goiânia, diz que o consumidor de hoje é mais exigente: “Naquela época o corretor não tinha qualificação e preparação. Mas também não tinha nenhum pré-requisito para que ele entrasse no mercado. A grande diferença é que hoje o profissional tem de ter qualificação para estar no mercado e ter sucesso. Tem de saber de desenho técnico, economia, noções de construção e outras coisas”.

A flexibilidade de horário foi o que pesou na hora de escolher em que ramo atuar. Kristianne trabalha cerca de 6 horas por dia e o ganho médio é de R$ 3 mil por mês. Para ela, “o retorno é muito satisfatório”. “Pretendo continuar na área e já estou olhando maneiras para me especializar mais ainda”, afirma a Kristianne, que trabalha como corretora há um ano.Nós últimos três anos, a quantidade de imobiliárias também aumentou de forma significativa (27%). São 1.051 empresas registradas no estado em 2012, contra 823 em 2011. Kristianne Araújo, de 37 anos, é uma das pessoas que optou pela corretagem. Ela tem dois filhos, de 2 e 4 anos, e é formada em administração.

Profissionalização
Antes da década de 80, qualquer pessoa podia exercer livremente a profissão de corretor. Mas, com a Lei dos Corretores de Imóveis, aprovada em 12 de maio de 1978, a profissão - homenageada no dia 27 de agosto - passou a ser regulamentada e os profissionais foram reunidos nos Conselhos Regionais.

Paulo Roberto Costa começou como corretor
(Foto: Divulgação/Mauro Júnio)

Uma resolução do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci) determina a escolaridade mínima de 2º grau para os novos corretores de imóveis. A partir de 2000, todos os futuros corretores precisaram concluir o Curso de Técnico em Transações Imobiliárias, com duração de 6 meses. Existe também a formação de nível superior, por meio da graduação tecnológica em Gestão Imobiliária, que dura entre 2 e 3 anos.

“Tem que acordar cedo, ter bons contatos, determinação, ser autossuficiente e acreditar muito em si mesmo. Como não existe salário fixo, o corretor tem que acreditar muito que ele vai conseguir fazer seu próprio ganho. A pessoa acomodada não serve para ser corretor”, diz Paulo Roberto Costa.

Para ele, o mercado imobiliário ainda tem muito a crescer. “Ainda existe um déficit habitacional muito grande que tem de ser corrigido. Antes, pouca gente tinha condições de comprar, hoje, tem abundancia de financiamento e muita gente está saindo do aluguel para a casa própria. Só não terá mais o que vender quando todos tiverem suas casas próprias”, acredita o empresário.

Redimob  - 

A regulamentação da profissão chega ao seu cinquentenário neste dia 27. Confira os principais fatos que marcaram a profissão neste período.

27 de agosto de 2012. Há cinquenta anos, o mercado imobiliário dava um novo passo para uma história de profissionalismo e comprometimento não apenas com o setor, mas com a sociedade. A regulamentação da profissão do corretor de imóveis, através da Lei n° 4.116, de 27 de agosto de 1962, dá uma nova conotação à atividade. Não só o corretor de imóveis é reconhecido, como os órgãos da categoria. O ano de 1962 foi o marco inicial para uma história de conquistas e lutas. Acompanhe os principais fatos que fizeram parte desta história.

• Além da promulgação da Lei nº 4.116 no ano de 1962, também foi constituída a primeira diretoria do Conselho Federal de Corretores de Imóveis – Cofeci e a criação de Conselhos Regionais, a exemplo dos CRECI’s do Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Goiás, Paraná e Pernambuco (o mais antigo do Nordeste). Estes conselhos foram criados logo na primeira reunião do Cofeci.

• Neste ano, também ocorreu o II Congresso Nacional de Corretores de Imóveis, em São Paulo.

• Em 12 de maio de 1978, foi sancionada pelo então presidente Ernesto Geisel a Lei n° 6.530, que deu nova regulamentação à profissão de corretor de imóveis.

Corretor de imóveis nos dias de hoje

Hoje, aquele que almeja ser corretor de imóveis, tem à sua disposição uma infinidade de ferramentas que visam capacitar e conectar os profissionais do setor. Segundo o corretor de imóveis, Rodrigo Barreto, as redes sociais são fundamentais para ampliação de relacionamentos neste mercado. “Estes canais sociais são o diferencial para o relacionamento com os demais colegas e elo de comunicação com as instituições que nos regula, mas é importante alias estratégias offline para que as ações obtenham mais êxito. Com certeza, este é um momento histórico e de solidificação deste mercado” afirma, em seu blog.

Parabéns a todos os corretores de imóveis que fazem parte desta história.

Estado de Minas -

Profissional aposta na valorização como empreendedor individual


"Apagamos muitos incêndios. Quantos poderíamos ter evitado se estivéssemos no negócio desde o início" - Adriana Magalhães, conselheira da CMI
A regulamentação da profissão de corretor de imóveis chega aos 50 anos com muitas conquistas e também novas obrigações. Como a lei de 1978, que tornou o corretor um profissional liberal ou a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLS 90/10), que permitiu à categoria atuar dentro dos princípios do empreendedor individual, com benefícios como registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), atuação dentro do Simples Nacional e recolhimento à Previdência Social.

O mercado está pronto para receber novos profissionais. Minas Gerais conta com 25 mil corretores, enquanto São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul têm, respectivamente, 130 mil, 45 mil e 35 mil. Para o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-MG), Paulo Tavares, a profissão é rentável, com ganhos iniciais de R$ 5 mil.

O retorno vem acompanhado de responsabilidades. Desde a publicação do novo Código Civil, o corretor responde como corresponsável pelas vendas que faz. Ou seja, se o imóvel apresentar algum vício que estava oculto no momento da venda, o profissional não poderá alegar desconhecimento. “Ele tem o dever de prestar todas as informações aos clientes, além de colocá-las no contrato de compra e venda”, ensina Tavares. “Aquelas pessoas que atuam como corretoras sem registro no Creci, geralmente não têm esses cuidados. E ainda burlam a lei, colocando cartazes e anúncios na rua, o que é proibido. Deve-se sempre desconfiar desse tipo de anúncio”, alerta.

Diretor geral dos Diários Associados, Edison Zenóbio elege o corretor como o elo mais sadio entre o mercado e o consumidor final. “É o profissional que contribui para a realização do maior sonho de todos os brasileiros, a conquista da casa própria”, destaca. “A indústria da construção civil tem uma importância enorme na economia e estimula uma extensa cadeia produtiva. O corretor tem desempenho fundamental nessa engrenagem, pois, se ele não comercializa os imóveis, o ciclo para”, completa.

CONSCIENTIZAÇÃO 

Adriana Magalhães, conselheira da Câmara do Mercado Imobiliário (CMI), diz que a categoria tem muito a comemorar nesses 50 anos. “Hoje, o corretor é bem remunerado e pode se dedicar, como a maioria faz, 100% à atividade e se realizar profissional e pessoalmente”, garante.

Olhando para o futuro, Tavares quer conscientizar a categoria sobre a importância de declarar seus ganhos e pagar o INSS. “Os corretores precisam se lembrar de que vão querer e precisar se aposentar um dia. Mas, infelizmente, a maioria ainda vai na contramão dessa lógica. A aprovação do PLS pode contribuir bastante na mudança desse cenário”, espera. Adriana diz ser necessário atuar junto à população para que ela perceba o valor na intermediação do corretor. “Apagamos muitos incêndios. Quantos poderíamos ter evitado se estivéssemos no negócio desde o início. É o barato que sai caro”, sentencia.

PRÊMIO

Termina sexta-feira o prazo para inscrições no 1º Prêmio Edison Zenóbio. Serão premiadas as melhores estratégias de comunicação do segmento imobiliário veiculadas no Estado de Minas e no portal Lugar Certo. Aquelas peças mais bem-sucedidas na promoção de vendas serão julgadas por uma comissão, que definirá o vencedor em novembro. Para participar, a empresa precisa ser associada à Câmara do Mercado Imobiliário (CMI). São duas categorias disponíveis: Incorporadoras e construtoras ou Imobiliárias e corretoras. Os cases vencedores terão divulgação de destaque no jornal e no portal, além de ganhar uma cota para a publicação de anúncios exclusivos.

As inscrições devem ser feitas no www.premioedisonzenobio.com.br.

Redimob - 


Especialista explica como ações de fortalecimento de marca, campanha de vendas e fidelização podem aumentar a carteira de clientes dos corretores de imóveis.
Conquistar novos clientes não é uma tarefa tão fácil. Além do alto índice e concorrência no mercado imobiliário, o corretor de imóveis precisa compreender os aspectos que influenciam na satisfação do comprador de imóveis. Só assim será possível conservar os atuais e conquistar novos clientes.

“Se o objetivo é aumentar a lucratividade da empresa, é fundamental que o corretor saiba como manter os antigos clientes, pois preservá-los proporciona ao profissional tranquilidade para aplicar estratégias de crescimento”, afirma o palestrante em vendas, André Vinícius da Silva, em seu blog.

Campanha, indicação, fortalecimento

Para conquistar novos clientes, André Vinícius aconselha aplicar em conjunto, três estratégias: Fortalecimento de marca, fidelização/indicação de clientes e ações e campanhas de vendas. Mas como cada uma delas pode auxiliar nestre processo? Confira as dicas.

Fortalecimento de marca – Divulgue a imobiliária na mídia para fortalecer a imagem na mente do consumidor e assim, conquistar novos clientes. Quando eles precisarem adquirir o imóvel que sua empresa comercializa.

Indicação de clientes - “O boca a boca funciona muito mais do que qualquer outra ação de marketing. Se você faz um trabalho bem feito e consegue satisfazer seus consumidores, a indicação de clientes será uma consequência”.

Campanhas de vendas – O corretor pode fazer ações específicas com o objetivo de conquistar novos clientes. Ações bem planejadas e pontuais, melhoram o nível de adesão de novos clientes.









Por: Guilherme Machado para o Blog Clipping Imóveis   

Plantão imobiliarioQuando você é escalado para dar um plantão no estande de vendas, qual é o primeiro pensamento que vem a sua cabeça? Confesso que quando atuava como corretor de imóveis, acreditava que ficar no estande era uma penalidade, e muitos colegas assim também pensavam.

A sensação que tínhamos em relação ao estande de vendas era de que lá não haveria cliente, com exceção para o período de lançamento ou uma campanha específica de um empreendimento. Faltava-nos uma visão mais apurada sobre a importância deste espaço, em resumo, faltava-nos um planejamento coerente das nossas ações.

Contudo, a experiência nos faz aprender novas técnicas e passei a enxergar o estande como um espaço que potencializava aquilo que sempre enfatizo nos meus textos: o relacionamento, o planejamento, a pró-atividade e o engajamento, ou seja, a oportunidade do corretor mostrar o seu diferencial.

Com o aquecimento do mercado imobiliário, as empresas estão sofisticando cada vez mais seus plantões de vendas, chegando a investir milhões para transformar este ambiente em verdadeiros showrooms. Os espaços estão mais interativos e aconchegantes e são preparados para passar ao cliente a noção mais aproximada de como será a sua nova moradia.

Sendo assim, é importante compreender que motivar o cliente a ir ao estande não é simples, portanto, o corretor deve potencializar este atendimento ao máximo. Por isso, separei seis dicas de como melhorar o desempenho no estande de vendas. Vamos a elas.

1. Agir para conquistar

Os ambientes de um estande são cuidadosamente planejados para gerar o encantamento do cliente para que este possa sentir como será sua vida morando no imóvel. 

A partir deste encanto inicial do cliente, ao se deparar com um decorado com muito requinte e beleza, o corretor deve agir para conquistar a fim de converter o encantamento em desejo de compra.

É necessário planejar a atuação, se preocupar em construir relacionamentos, perceber o que pode ser valorizado no estande e colocar tudo isso em prática.

2. Faça do seu estande uma extensão do seu escritório

Porém, o corretor não pode se acomodar. Para melhorar o seu desempenho, ele precisa estar cada vez mais engajado e comprometido com o alcance dos resultados. Além de atender aqueles clientes que são atraídos, muitas vezes, pelas ações de marketing, o profissional da intermediação também deve ser pró-ativo.

Por isso, é importante fazer do estande uma extensão do seu escritório, ou seja, agendar visitas para o estande. Ofereça ao seu cliente a oportunidade de se encantar em um lugar diferenciado.

Mas uma dica importante: não deixe para fazer a prospecção apenas no próprio estande. Faça um agendamento com antecedência, assim você irá se programar melhor para atender ao cliente.

3. Não fique preso a roteiros pré-programados

É comum que as empresas possuam roteiros de atendimento previamente elaborados, com um passo a passo de apresentação. É importante conhecer este roteiro, porém não devemos ficar limitados a ele, pois a aplicação será de acordo com o perfil de cada cliente.

Lembre-se, a missão do corretor é potencializar o encantamento do cliente possibilitado pela própria singularidade de um estande de vendas, sendo assim, identifique o perfil do seu cliente, mapeie o que mais lhe agrada e lhe interessa e explore esses elementos em seu atendimento, mesmo que eles não estejam previstos no roteiro da empresa. É a atitude e o comportamento do corretor que irão garantir um diferencial.

4. Entenda a história do seu cliente

Diante desta necessidade de identificar o perfil do cliente, é importante refletir que a motivação para a compra do imóvel não é algo tangível. O que leva as pessoas ao estande são seus sonhos, projetos de vida e desejos, sendo assim, entender a história de vida do seu cliente é uma das formas de aproximar os desejos à concretização da compra.

E é o relacionamento que o corretor estabelecerá com o cliente que o possibilitará conhecer estas histórias e assim melhorar a sua performance.

5. Veja o invisível

Hoje, é fundamental compreender que estamos na era informação, na qual os conteúdos circulam cada vez mais rápidos e mais abundantes e os clientes estão mais criteriosos. Sendo assim, o corretor precisa estar bem preparado para o atendimento.

O detalhe faz a diferença. Essa frase, que muitas vezes parece até clichê, é uma das maiores verdades no mercado imobiliário, pode acreditar nisso. Saiba detalhes do acabamento, do material que está sendo utilizado na obra, pois esses elementos são importantes e dão credibilidade e segurança às informações que o corretor transmite.

Aqui é até interessante fazer uma alusão a uma propaganda de uma grande marca de canos e tubulações. O comercial retrata um corretor que apresenta todas as vantagens do imóvel e o cliente fica encantado, mas quando é perguntado sobre os materiais usados na tubulação, o corretor se desestabiliza. E isso acontece no mundo real também.

6. Utilize o marketing de atração

Você já ouviu falar do marketing de atração? Este é um conceito que vem sendo bastante trabalhado no mercado atualmente. Trata-se de uma estratégia para atrair o cliente respeitando três etapas: a atração, a amizade e a conversão.

Uma das formas que utilizava era convidar potenciais compradores para uma ação diferenciada no estande de vendas. Em uma dessas técnicas de atração realizei a “Noite do Chefe”.

A ação visava destacar o espaço gourmet do empreendimento, na qual o cliente utilizava o decorado para preparar um prato. Isso criava um relacionamento e, mais do que isso, permitia aos clientes vivenciarem aquele ambiente de convivência como se eles já estivessem morando no imóvel.

Depois, passava para segunda etapa que era a da amizade/contato. Fazia o cadastro dos clientes que participavam da “Noite de Chefe” e após o evento, ligava para saber o que eles tinham achado, colhia sugestões, ou seja, alimentava o relacionamento iniciado.

Por fim, chegava à última etapa, que era a da conversão. A partir da opinião do cliente, ia destacando os diferenciais do imóvel, porém sem fazer nenhuma menção à negociação. O diferencial dessa estratégia era fazer com o que o próprio cliente falasse de valores, prazos, formas de pagamento a partir da experiência que ele teve.

Essas foram algumas das estratégias que utilizei para melhorar o meu desempenho no estande de vendas, este espaço que passei a enxergar como uma excelente oportunidade para a construção de relacionamentos e para melhorar os meus resultados.

Com isso, percebi que as pessoas não querem que ninguém venda para elas, mas querem comprar. Ou seja, elas precisam se sentir à vontade e ter experiências diferenciadas. E o estande de vendas tem boas condições para isso.

Você já havia pensado o estande sob esta visão? Compartilhe conosco suas experiências.


Guilherme Machado
Consultor, Coach e Palestrante. Expertise no desenvolvimento de equipes comerciais com foco em resultado.


G1 - 


Beato vendeu 14 imóveis em quatro meses na madrugada em São Paulo.
Depois de abordar clientes nas baladas, passou a buscar feirantes na noite.



Já passa da meia-noite e um engravatado se encaminha a um dos boxes do Mercado Municipal de São Paulo, onde a partir desta hora são vendidas frutas para os atacadistas e recebidas as mercadorias para o dia seguinte. Invertendo os papéis, o corretor Nilton Fernandes Beato, de 39 anos, vai ao mercado em busca de clientes, gente interessada em comprar apartamentos durante a madrugada.Vendo imóveis para quem trabalha à noite e para quem curte a noite.

O nicho inusitado foi descoberto por acaso. Corretor há cerca de oito meses, Beato não tinha conseguido vender nenhum apartamento, atender nenhum cliente. Até o dia em que ficou depois da hora no estande e conseguiu o primeiro interessado. Nascia ali o corretor da madrugada. “Vendo imóveis para quem trabalha à noite e para quem curte a noite. Estou há oito meses trabalhando como corretor. Em quatro, não vendi nada. Nos outros quatro, estou na madrugada e vendi 14”, diz Beato. Em junho, ele foi o segundo maior vendedor entre os 3 mil corretores com quem trabalha.

Entre os negócios fechados por Beato estão apartamentos na avenida Brigadeiro Luis Antonio (na região central da capital), de 40 e 57 m², por até R$ 450 mil, e no Brás, de 53 e 63 m², por até R$ 400 mil. Em Campinas, vendeu imóvel no bairro Cambuí, de 46 e 65 m², por até R$ 420 mil.

Cenário imobiliário
De acordo com os dados mais recentes da entidade que representa o setor no país, a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), em junho deste ano, os financiamentos imobiliários com recursos da poupança atingiram R$ 7,4 bilhões, queda de 5% na comparação com junho do ano anterior. Na comparação com maio deste ano, no entanto, houve alta de 18% no volume emprestado. Em 2012, a previsão da Caixa Econômica Federal é que o crédito para a casa própria atinja R$ 100 bilhões.

Nos seis primeiros meses do ano, as vendas de imóveis residenciais novos na capital paulista voltaram a subir, com leve alta de 2,6%, revertendo, em parte, a queda de 31% registrada no primeiro semestre de 2011, de acordo com informações do Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

Os preços dos imóveis em São Paulo acumulam alta de 9,1% no ano, até julho, e de 18,8% em 12 meses, segundo aponta o índice FipeZap.

A caminho da balada
Beato começou a nova rotina perto da balada, abordando quem estava a caminho de uma boate ou de um teatro, que ficam no centro de São Paulo. Vendeu seis apartamentos. “Tem casal namorando, sonhando em ter apartamento e você chega oferecendo um, eles pensam”, conta Beato.

Nilton Fernandes Beato, corretor nas madrugadas,
oferece imóveis em São Paulo (Foto: Reprodução)

A filha da gerente comercial Mônica de Andrade e o namorado dela foram um dos casais que caíram nas graças de Beato na madrugada. A caminho da balada, a moça viu o estande, armado com bebidas para seduzir os clientes, e levou o material informativo à mãe. No domingo, durante o dia, Mônica e o marido foram conhecer o empreendimento e, na segunda-feira, fecharam a compra de duas unidades. “Eu nunca ia imaginar que tinha apartamento sendo vendido de madrugada. Achei uma baita sacada”, diz Mônica, de 46 anos.

Eu nunca ia imaginar que tinha apartamento sendo vendido de madrugada. Achei uma baita sacada”
Mônica de Andrade, gerente comercial

Mercado Municipal
Acabadas as unidades em São Paulo, Beato foi vender apartamentos em Campinas. Como não encontrou balada perto dos imóveis, surgiu a ideia de peregrinar pela Ceasa-Campinas (Centrais de Abastecimento de Campinas). “Eu fornecia frutas no Paraná, principalmente uva, por isso sabia como funcionava à noite”, conta. Vendeu mais oito apartamentos e se tornou o segundo maior vendedor do ranking de 3 mil corretores da empresa em que trabalha.

Esse pessoal que trabalha não tem dia livre. Trabalham durante a noite e não têm tempo, então eles preferem olhar durante a noite"O Mercado Municipal é o terceiro lugar por onde ele circula. “Esse pessoal que trabalha não tem dia livre. Trabalham durante a noite e não têm tempo, então eles preferem olhar durante a noite. Quem está na balada aproveita para ver o apartamento sem tanta gente”, diz Beato. 

“A balada é melhor, sempre tem filho de papai, né?” Nilton Fernandes Beato, corretor

Para vender, Beato carrega os folders do imóvel e não poupa o gogó – explica o empreendimento, a localização, insiste, volta. Empolgado, ele diz que chegou a trabalhar 24 horas seguidas, fazendo o horário normal e a noite. Hoje, entra por volta das 14h quando vai "fazer madrugada".

No Mercado de São Paulo, fala com oito, dez proprietários de boxes por noite. Um deles é Moacir Dib, 61 anos, que está negociando um apartamento no prédio Estação Brás, da incorporadora Setin, que custa cerca de R$ 360 mil. “Acho que ele teve, sim, uma boa ideia de vender na madrugada. Não muda comprar na madrugada ou de dia, acho que tudo é questão se serve, se cabe pra gente”, diz Dib, que trabalha há 36 anos na madrugada.

Redimob -

Solteiros entre 22 e 35 anos destacam-se entre compradores de imóveis em potencial, o que exige do corretor de imóveis um atendimento personalizado na negociação.


Eles têm entre 22 e 35 anos e buscam apartamentos com um quarto ou quitinetes. Jovens e solteiros, este perfil vem se destacando entre os compradores de imóveis em potencial, o que exige do corretor de imóveis um atendimento personalizado na hora da negociação.

O corretor de imóveis Rodrigo Barreto atenta que muitos jovens não têm experiência em negociações imobiliárias, o que deve exigir do corretor que está intermediando a compra, jogo de cintura para lidar com situações adversas. “É importante o corretor perguntar ao jovem cliente se este gostaria de mostrar o imóvel para um familiar, parente ou amigo. Pessoas com maior vivência ou experiência podem auxiliar neste processo”, afirma em seu blog.

Barreto também destaca que após leitura completa do contrato de promessa de compra e venda, o corretor questione se as partes envolvidas têm alguma dúvida sobre os termos do acordo e em relação ao imóvel. “Este é o momento certo para dirimir qualquer incerteza sobre o objeto negociado, justamente pela presença do proprietário vendedor. Normalmente, clientes com esse perfil, estão comprando o primeiro imóvel. Assim, não esqueça que certamente irá, ao longo da vida, adquirir outros e, poderá revender ou alugar aquele primeiro bem imóvel conquistado através da sua intermediação".

Fidelizar o cliente é um dos segredos de se manter nesse mercado tão concorrido. E um atendimento diferenciado que vise o bem estar e a segurança do cliente na negociação é que pode destacar o corretor de imóveis.

Bagarai -


Profissionais que atuam em administradoras de imóveis atuam em ramos especializados e garantembons negócios para os clientes.



Trabalho (Fotolia)Agosto é o mês dos profissionais que atuam com a comercialização de imóveis e dia 27 é comemorado o Dia Nacional do Corretor Imobiliário. A categoria surgiu ainda na década de 30, período de criação das primeiras legislações trabalhistas.

Nos anos 40, os corretores já eram reconhecidos pela sociedade, porém, somente no dia 12 de maio de 1978 a profissão foi regulamentada pela Lei nº 6.530. “A legislação foi importante para regularizar a atuação destes profissionais e assegurar seus direitos”, observa o advogado imobiliário Carlos Samuel de Oliveira Freitas.

Antigamente, a profissão não era encarada como algo estável e definitivo. Muitas pessoas se aventuravam na comercialização de imóveis quando precisavam de um bico para ganhar dinheiro. Hoje, a história é bem diferente.


“O mercado imobiliário se expandiu muito nos últimos anos no Brasil, abrindo boas oportunidades para quem desejava trabalhar na área. A mudança no perfil dos clientes e do próprio mercado exigiram a profissionalização e uma boa formação para ser bem-sucedido”, afirma Freitas, diretor de condomínios da PRIMAR Administradora de Bens.

Para atuar como corretor de imóveis é necessário ter ensino médio completo, obter o diploma do curso de transações imobiliárias e fazer seu registro no Conselho Regional de Corretores de Imóveis. “Várias instituições em todo o país oferecem cursos técnicos, superiores e especializações para qualificação profissional neste segmento. No Rio de Janeiro, o Núcleo de Excelência e Formação (NUFEI) da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI) apresenta cursos desde formação técnica básica até a pós-graduação em direito imobiliário em parceria com a Universidade Candido Mendes”, aponta.

Além de estudar, quem deseja ingressar neste ramo tem que trabalhar arduamente. Características como paciência, perseverança, disciplina, flexibilidade, organização e humildade são imprescindíveis para lidar com atendimento ao público e negociar imóveis. “O corretor deve passar confiança para o seu cliente e sempre manter contato. Entre as atribuições do cargo estão à venda, captura e cadastro de imóveis. É importante ter todas as informações sobre as edificações, incluindo as condições de compra e venda, documentação e prazos”, acrescenta.

A migração de profissionais de outras áreas, como direito, contabilidade, administração e psicologia, para a corretagem imobiliária se tornou comum e atualmente existem diferentes perfis de corretores. “O interesse está nas boas comissões que alguns negócios podem render. A porcentagem de ganhopara cada venda varia entre 0,9% e 1,7%, mas pode ultrapassar os 3%. A imobiliária determina a comissão e também pode motivar os funcionários com premiações e benefícios, incrementando o salário no fim do mês”, conta.

Freitas destaca que não há como definir qual a área mais promissora da corretagem de imóveis. De qualquer forma, a cultura dos novos empreendimentos, que vendem estilos de vida junto com as edificações, faz com que os lançamentos estejam em alta. “Mesmo que a venda de usados, por exemplo, tenha uma previsão um pouco maior de crescimento, todos os segmentos são promissores. O corretor de imóveis tem que estar atento às oportunidades e estar sempre atualizado, pois seu sucesso também depende do cenário político-econômico e do humor do mercado imobiliário”, enfatiza.

O especialista lembra da importância de buscar uma imobiliária séria, que atue com corretores qualificados e com experiência. Negociar diretamente com a administradora de bens garante mais segurança, comodidade e rapidez para o cliente. “As administradoras, como a PRIMAR, possuem uma grande variedade de imóveis, o que aumenta as opções de escolha. Sem contar que o cliente é atendido por um profissional especializado no ramo de imóveis desejado, assegurando um atendimento de maior qualidade, já que o corretor está por dentro das mudanças de um segmento específico”, finaliza.

VivaReal - 
Empreendedorismo, inovação e mercado imobiliário são temas inseparáveis, inesgotáveis e debatidos frequentemente no blog de Guilherme Machado. Selecionado praticamente toda semana para compor o ranking Melhores posts do setor imobiliário do VivaReal, por trazer novidades e análises diferenciadas sobre o segmento, Machado revelou em entrevista para o VivaReal que é possível reduzir custos e inovar ao mesmo tempo para gerar bons negócios a empresas, colaboradores, consumidor e mercado.


VivaReal – Como é possível reduzir custos e inovar ao mesmo tempo?

Guilherme Machado – É necessário investir no capital humano. A pessoa é elemento essencial para inovação. Sua capacidade de refletir, criar e propor mudanças é fundamental, independentemente do porte da empresa. Por isso é importante criar um ambiente propício para que a inovação aconteça com o estímulo à proposição de novas ideias, valorização do capital humano e intelectual, que são intrínsecos à empresa, ou seja, transformar colaboradores em parceiros do negócio. A empresa que cria esse ambiente, que instiga a liberdade de expressão e de criação, tende a reduzir os seus custos. São atitudes que levam para um caminho determinado. Inovar é construir esse alinhamento para o alcance das metas.

VR – No cenário atual do setor imobiliário, como a motivação para inovar pode ser aplicada às empresas de todos os portes e aos profissionais desse segmento?

Machado – Estamos vivenciando um movimento de homogeneização de produtos e serviços no mercado. Por isso, a inovação é uma questão de sobrevivência e não mais um diferencial. Inovar é imprescindível para um profissional ou uma organização que almeja estar cada vez mais qualificada, garantindo a sustentabilidade de seu negócio.

É importante notar que a valorização do mercado imobiliário a cada dia atrai novos profissionais das mais diferentes formações; quem deseja ter uma história bem-sucedida precisa inovar. Aprender hoje, reaprender amanhã para aprender algo novo a cada dia e, assim, proporcionar uma melhoria contínua do profissional e também do próprio segmento.

VR – A experiência de compra de um imóvel tem mudado, principalmente, com a utilização de novos canais de comunicação para divulgar imóveis e prospectar clientes. Como o Brasil tem sido inovador/criativo/pioneiro nessa nova experiência de compra/venda/aluguel de imóveis?

Machado – É urgente a necessidade de conhecer profundamente o perfil do cliente. O tempo é escasso e as novas ferramentas de comunicação vêm para facilitar o relacionamento com o cliente. Mas só é possível inovar se os profissionais tiverem consciência da necessidade do atendimento diferenciado, gerando mais credibilidade. Conhecer o perfil do cliente é fundamental para antecipar-se às demandas e oferecer soluções mais rápidas e compatíveis com as necessidades.

As novas tecnologias permitem personalizar as ferramentas de comunicação e potencializar novos negócios. Essa realidade é o presente do mercado imobiliário e não mais o futuro. Diante disso, o pioneirismo do Brasil é buscar o entendimento das pessoas que navegam por essas ferramentas, criando relacionamento personalizado com os públicos de interesse.

VR
– Qual a importância dos portais imobiliários no desenvolvimento do setor?

Machado – Os portais imobiliários são ferramentas essenciais para transmitir informações e conhecimento para clientes e profissionais do mercado. Utilizados de forma estratégica, os portais são excelentes oportunidades para criação de novos relacionamentos e, consequentemente, de novos negócios. O seu potencial está na capacidade de ser uma plataforma propícia para o desenvolvimento do e-Business e a integração com os públicos-alvo. Esses fatores ganham ainda mais relevância frente a rapidez da comunicação com o cliente, gerando confiança e comodidade.

VR – É os principais incômodos e desafios vividos atualmente pelos profissionais do setor imobiliário frente ao mercado?
Machado – Percebo que a oscilação no cenário econômico gera insegurança aos profissionais e às empresas. Isso impacta, por exemplo, na falta de previsibilidade de fluxo de caixa para um investimento mais arrojado até um orçamento familiar mais estável. Meu desafio, enquanto coach é tornar empresas e profissionais mais aptos a lidar com adversidades a partir da educação continuada para aumentar o nível de excelência na prestação de serviço.

VR – Quais são os principais desafios do setor imobiliário brasileiro para os próximos 2 anos?
Machado – A profissionalização, tanto no que se refere à gestão organizacional quanto à capacitação dos profissionais.

Guilherme Machado – Consultor, coach, palestrante, expertise no desenvolvimento de equipes comerciais com foco em resultado e autor do blog guilhermemachado









Infomoney - 


Sites permitem anúncios gratuitos de imóveis à venda ou para alugar; muitos permitem publicar fotos, vídeos e mapas dos imóveis



SÃO PAULO – Quem pretende vender ou alugar um imóvel e não quer contratar uma imobiliária para economizar com a comissão pode publicar anúncios gratuitos em diversos sites brasileiros. O preço de tabela da comissão das imobiliárias para a venda de um imóvel usado é de 6% do valor da propriedade. Caso o imóvel seja vendido por um 1 milhão de reais, portanto, a comissão pode chegar a R$ 60 mil.

É verdade que qualquer pessoa também pode colocar uma placa de "vende-se" na porta do imóvel com o contato do proprietário para fugir da imobiiliária, mas os sites têm como atrativo não apenas a gratuidade como também o oferecimento de alguns serviços. Muitas páginas permitem incluir fotos e alguns até suportam vídeos que mostram melhor a propriedade aos interessados. Confira alguns locais onde é possível divulgar seu imóvel sem gastar nada.

Apontador (http://www.apontador.com.br/): o site disponibiliza ao anunciante ferramentas para marcar estabelecimentos comerciais, hospitais e escolas perto do local do imóvel, além de permitir a publicação de uma quantidade ilimitada de anúncios de propriedades e fotos. É possível incluir a localização em mapa e, nas cidades brasileiras onde o serviço existe, também utilizar o Google Street View para que o interessado possa ter uma ideia melhor das redondezas antes de decidir agenda uma vista.

Imóvel à Venda (http://imovelavenda.com.br/): o anunciante pode publicar quantos imóveis desejar, inserir até 50 fotos, vídeo do YouTube e link para mapa de localização. O contato pode ser feito diretamente com o interessado sem a intermediação de um corretor ou de uma imobiliária.

Lugar Certo (http://www.lugarcerto.com.br): o plano grátis cobre somente 60 dias e é anunciado somente na internet. O anunciante tem permissão de incluir 15 fotos e um vídeo. Porém, o anúncio passa por análise de um moderador.

Portal das Imobiliárias (http://www.portaldasimobiliarias.com.br): o site permite número ilimitado de imóveis e de fotos e acesso para visualização em mapa. O contato com o cliente é direto.

Site dos Corretores (http://www.sitedoscorretores.com.br): o plano gratuito permite incluir até dois imóveis, com duas fotos para cada, perfil permanente no site e contato direto com o cliente.

Super Achei (www.superachei.com.br): permite que os anunciantes enviem até 30 fotos, publiquem uma lista de características do imóvel e incluam um link para visualização em mapa. No caso de aluguel de imóveis, o anunciante pode marcar em um calendário os dias em que o imóvel estará ou não disponível para locação.

Imóveis Virtuais (http://imoveisvirtuais.com.br/): o site permite somente textos e número limitado de dez textos para cada página. O contato do interessado com o anunciante é direto.

Cuidados


Quem tenta vender um imóvel sem a intermediação da imobiliária deve tomar alguns cuidados. O primeiro deles é com a segurança, já que será necessário permitir que pessoas estranhas entrem em uma residência sem presença de um corretor para acompanhar a visita.

Outro cuidado é com a documentação e a parte burocrática da transação. Grandes imobiliárias sempre possuem um advogado que será responsável pela elaboração do contrato de compra e venda e estará disponível para tirar as dúvidas dos vendedores. Quem contrata a imobiliária só deve pagar a comissão pela transação no final do processo para que haja a garantia de que a empresa o ajudará até o último momento nas eventuais dificuldades que surgirem.

Outras formas de divulgação


A internet é uma ferramenta fundamental na hora de procurar um imóvel. Uma maneira de divulgar sem gastar muito é anunciar em blogs, guias de endereço e redes sociais.

Também é possível utilizar o Google Adwords, que é um serviço do Google onde o usuário paga para aparecer em links patrocinados quando alguém procura por palavras chaves, como imóveis. Porém, esse recurso só é possível para quem já tem um site.

Redimob - 

Há uma necessidade de preparação intelectual para lidar com estrangeiros, observando os seus costumes e a forma de atuar em outros países.

Embora os profissionais do mercado imobiliário tenham ciência que os grandes eventos esportivos abrirão portas para um novo filão de mercado, somente os mais qualificados ganharão espaço e diferenciais competitivos. Como o corretor de imóveis do DF deve se preparar para atender e buscar conexões internacionais? Sobre este assunto, conversamos com o presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Distrito Federal (CRECI-DF), Hermes de Alcântara Filho, presença confirmada no Corretor Global edição Brasília.

O evento ocorrerá no dia 30 de agosto, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, a partir das 8h. As inscrições são gratuitas e para fazer parte da geração de corretores globais, basta acessar o site www.corretorglobal.com.br e preencher o cadastro.

A conexão com o mercado internacional tem proporcionado novas oportunidades para o corretor de imóveis ampliar sua atuação. Que estratégias são indicadas para o corretor conquistar este nicho de mercado?


Fundamentalmente, antes de ser um profissional com anseios internacionais, ele tem de ser uma pessoa preparada para os desafios dentro e fora do nosso país. Há uma necessidade de preparação intelectual para lidar com estrangeiros, observando os seus costumes e a forma de atuar em outros países; é importante falar outro idioma, preferencialmente o inglês, pela sua internacionalização; é salutar conhecer a legislação imobiliária internacional e a do país de interesse, questões tributárias, percentuais de comissionamento, para realizar negócios com bom nível de segurança e rentabilidade; é imprescindível relacionar-se com colegas estrangeiros para compartilhar projetos e interesses, e também para ser lembrado quando cogitar-se um negócio em sua área de atuação.

Quais as ações da entidade para aumentar esta conexão com o mercado internacional e fomentar relacionamentos globais?


Estamos investindo muito em formação e aperfeiçoamento e estimulando os corretores do Distrito Federal a se desenvolverem tecnicamente e serem verdadeiros especialistas em nosso ofício. Temos percebido interesse mútuo, o que nos motiva a desenvolver projetos cada vez mais audaciosos. Em parceria com a Associação de Corretores de Imóveis (ACI-DF), promovemos cursos de especialização em vários assuntos. Outro exemplo e de mãos dadas com a Universidade de Brasília, criamos o CRECI Idiomas, que oferece cursos de várias línguas a preços módicos. Eventos como o Encontro Brasileiro dos Corretores de Imóveis (ENBRACI) e o Congresso Internacional do Mercado Imobiliário (CIMI), promovidos pelo Sistema COFECI-CRECI têm também, como objetivo principal, ampliar os horizontes dos intermediadores imobiliários, sob o ponto de vista técnico. O CIMI, em especial, tem o objetivo de debater tendências; divulgar projetos relevantes para o segmento; analisar o futuro e direcionamentos do mercado imobiliário brasileiro e global; proporcionar o estreitamento do relacionamento entre investidores, construtores e incorporadores; e promover o intercâmbio de informações sobre o cenário imobiliário local e global.

Quais as mudanças mais significativas que o Sr. observa no mercado imobiliário do Distrito Federal?


O momento hoje é de estabilização e não, necessariamente, de baixa ou queda de preços. O que estamos vivendo é uma desaceleração do crescimento, fato novo, depois de navegarmos alguns anos em mares calmos, com ênfase na baixa elasticidade do produto imobiliário. Sob o ponto de vista conjuntural, durante cinco ou seis anos, vivemos uma atmosfera em que havia uma alta demanda reprimida por imóveis, interesse do mercado nacional e internacional por empreendimentos em Brasília e a expansão imobiliária de algumas regiões administrativas do Distrito Federal. Em 2012, vivemos um novo ciclo, com percentuais mais modestos de crescimento, porém, com a mesma solidez e vitalidade de um dos mercados imobiliários mais promissores do país. Estamos certos do caminho a ser seguido e convictos de que investir em imóveis é sempre o melhor negócio.

Para muitas capitais, eventos como a Copa do Mundo de 2014, podem servir como ponte para atrair investidores internacionais. Com várias opções no mercado brasileiro, que ações são necessárias para que o mercado imobiliário de Brasília se destaque e conquiste este público?


O Distrito Federal conta com muitas peculiaridades: a maior renda per capita do Brasil; uma das maiores demandas reprimidas por imóveis do país; um dos melhores percentuais de rentabilidade do mercado internacional; e abundante oferta de crédito. O que, de fato, precisamos fazer é reverberar essas informações internacionalmente, usando a criatividade e o espírito empreendedor na preparação de novos projetos comerciais, convidando os colegas estrangeiros a realizar lucrativas parcerias.